Principais Tendências do Varejo de Moda para os Próximos Anos

Por Paula Kimie

O mercado de moda nunca para, tem suas baixas e altas, mas sempre segue em frente. Segundo a revista No Varejo, o mercado de moda continuará a crescer depois de um período de volatilidade, sendo tomada pelo comércio exterior vinda da América do Norte e Europa.

O Brasil é o quinto maior consumidor mundial de roupas e o sexto maior produtor têxtil, sendo a segunda maior geradora de empregos. Espera-se um aumento de até 4,5% no consumo de produtos de moda, sendo que em 2017, obteve um faturamento de US$ 45 bilhões (INSTITUTO BY BRASIL).

Aqui traremos as principais tendências de mercado e de comportamento dos consumidores que já vêm acontecendo e têm sido percebidas, mas que terão um crescimento bastante acentuado nos próximos anos.

1. TENDÊNCIAS PARA MERCADO

A – E-commerce

O e-commerce tem tido um grande crescimento nos últimos anos, e há uma grande expectativa para os próximos anos. As pessoas estão preferindo a comodidade de receber os produtos em casa, mesmo com o prazo de entrega, do que ter que ir até uma loja física para realizar suas compras.

Segundo o PagBrasil, outro fato importantíssimo é que mais de 20% das vendas online de produtos de moda foram realizados via dispositivos móveis e tende a crescer muito mais, sendo que 92% das casas brasileiras possuem pelo menos um smartphone em uso.

Ainda existe uma certa insegurança em comprar roupas e calçados online, devido ao medo das roupas não caírem bem ou nem servirem, sendo assim, as empresas estão investindo em novas formas de mensuração de tamanhos, disponibilizando tabelas de medidas e aplicativos que determinam exatamente o tamanho que o consumidor usa (E-COMMERCE BRASIL).

B – Plus Size e a valorização do corpo real

Com a grande quantidade de imagens liberadas nas mídias de corpos ditos “perfeitos” e uma tendência que veio para desmistificar os padrões de beleza impostos pela sociedade capitalista, foi a valorização do corpo real, a hashtag “no filter” e satisfação com o corpo plus size (PORTAL DA EDUCAÇÃO).

Nas redes sociais onde as respostas por cada postagens é muito rápida, uma terra de ninguém que todos se tornam juízes e expressam suas opiniões, é onde também a conscientização sobre a proporção deste problema vem ocorrendo.

Esta tendência tem sido utilizada com uma jogada de marketing por muitas empresas que querem demonstrar que se importam e que são empresas conscientes, vendo como elas poderiam trazer muitos clientes.

C – Genderless (Agênero)

Outro lifestyle que está em alta é a utilização de roupas sem delimitação entre homem e mulher. A liberdade de escolher a roupa que deseja, tem ganhado cada vez mais espaço no mercado, e muitos adeptos.

Grifes renomadas de moda estão criando roupas que podem ser utilizadas por todas as pessoas independente do seu gênero. O filho do ator Will Smith é um dos rostos mais presentes neste movimento. No Brasil, este movimento já é muito presente em lojas maiores como C&A, que fizeram uma campanha voltada ao uso da mesma roupa por ambos os gêneros.

D – Omni Channel

Buscando facilitar a vida do consumidor, as empresas têm empregado a tendência do Omni Channel para unificar todos os canais utilizados pelas empresas. Segundo o Sebrae, o omni channel integra desde a loja física, as lojas virtuais e todos os seus compradores, tornando possível a interação entre os três e aproximando cada vez mais o consumidor das empresas.

Por meio desta tendência, é possível realizar um marketing diferenciado onde se foca integralmente na experiência do consumidor, e todas as estratégias serão direcionadas conforme a percepção do cliente.

E – ISO e sustentabilidade

As normas de certificação da qualidade ISO têm sido consideradas um fator fundamental para as empresas e, muitas vezes uma compra pode ser determinada pela empresa possuir esta certificação que garante a qualidade do produto oferecido.

Seu modelo de implantação e certificações deve estar presente em todos os setores da empresa e seguir continuamente até alcançar a qualidade. A ISO 9001 determina requisitos para que a produção seja padronizada e consistente até o produto alcance a qualidade determinada pela empresa (GESTÃO DA QUALIDADE).

Segundo a Templum, a ISO 14001 diz respeito a questão da sustentabilidade em que por meio dela determina-se que a empresa desenvolva uma estrutura a proteção do meio ambiente e a rápida resposta às mudanças nas condições ambientais.

Quais os benefícios que eu ganho ao implementar a gestão da qualidade ISO?

Além de ser uma certificação com reconhecimento nacional e internacional, a ISO assegura boas práticas de gestão, relacionamento com o cliente e o fornecedor e o grande diferencial competitivo, afinal, não é fácil consegui-lo, sendo necessário seguir 8 princípios: Foco no cliente, Liderança, Abordagem de Processo, Abordagem Sistêmica para Gestão, Envolvimento das pessoas, melhoria contínua, abordagem factual para Tomada de decisões, benefícios mútuos nas relações com os fornecedores (GESTÃO DA QUALIDADE).

2. TENDÊNCIA DE COMPORTAMENTO

A – A tendência do estilo de vida vegano

Segundo a American Vegan Society, o veganismo possui 14 vertentes ou ideologias que devem ser seguidas ao decidir seguir o estilo de vida. Este estilo de vida têm ganhado cada vez mais adeptos no Brasil e no mundo, sendo um movimento que visa ter uma vida mais sustentável, com a abolição do uso e o consumo de produtos de origem animal, desde a carne até adquirir um produto que em qualquer etapa da cadeia produtiva houve o uso de animais, exploração humana ou produtos testados em animais (TERRA).

Segundo o TrendNotes, estima-se que mais de 5 milhões de brasileiros sejam veganos e 16 milhões sejam vegetarianos e este número somente tende a crescer, pois a cada ano as notícias sobre exploração de animais tem atingido a consciência das pessoas e cada vez mais estabelecimentos  têm observado o quão valoroso este público pode ser para seus negócios.

B – Origem do produto e o consumo consciente

Assim como no estilo de vida vegano, as pessoas não adeptas ao movimento estão se tornando cada vez mais consciente sobre a origem dos produtos que eles consomem e estão mais e mais preocupados com a grande quantidade de agrotóxicos e produtos químicos prejudiciais à saúde.

Outro movimento que vem ganhando força é o Slow Fashion (Tradução do inglês Moda Lenta) que objetiva a produção de produtos orgânicos de forma mais devagar e que valorize os produtores locais. Este movimento se tornou mais conhecido devido ao movimento Fashion Revolution originada pouco após o desmoronamento de uma fábrica de roupas em Bangladesh, Índia.

C – Consumo de roupas de brechó ou roupas usadas

Se você acha que roupas de brechó são antiquadas e são roupas que foram descartadas por outras pessoas, saiba que nos últimos anos, consumir roupas de brechó passou por uma remodelação de conceito.

Esta nova ideia demonstra que as pessoas procuram ter ou querem ter um consumo consciente, e não é reduzindo o consumo não, é repensando (INSECTA SHOES).

Segundo O Globo, somente em 2015 este mercado faturou mais de R$ 5 milhões. E houve um crescimento de 5% na abertura de lojas que vendem roupas usadas, com um crescimento de mais de 30% de clientela por mês.

Uma loja de roupas usadas não precisa ser parecendo um depósito, você pode misturar com as roupas novas e até criar um site para vender online também. Existem alguns aplicativos e site que ganham muito dinheiro com este nicho, como o Enjoei e o Troc.